Ir para o conteúdo principal
Agriculture and rural development

Promoção das proteínas vegetais na UE

Relatório

A Comissão Europeia está a estudar formas de explorar o potencial da produção de proteínas vegetais na UE, respondendo às necessidades dos agricultores, dos produtores e dos consumidores.

A produção e o aprovisionamento de proteínas vegetais no setor agroalimentar têm sido repetidas vezes debatidos a nível da UE. O relatório sobre a promoção das proteínas vegetais na União Europeia analisa a situação da oferta e da procura neste setor e analisa as possibilidades de continuar a desenvolver a respetiva produção de forma económica e ecológica. O relatório resume igualmente a análise realizada pela Comissão sobre o setor das proteínas na UE.

22 DE NOVEMBRO DE 2018
Report: Development of plant proteins in the European Union

Contexto

Em fevereiro de 2018, foi lançada uma consulta dirigida às partes interessadas para avaliar a situação atual na UE. Posteriormente, a Comissão organizou quatro seminários sobre proteínas vegetais para debater a investigação e a inovação, práticas agronómicas e vantagens ambientais, a cadeia de abastecimento no setor na UE e a procura em vários segmentos do mercado. O relatório foi apresentado e debatido numa conferência de alto nível realizada em novembro de 2018.

As plantas ricas em proteínas mais comuns são a soja, as leguminosas (cereais e forragens) e as oleaginosas. Enquanto fonte de aminoácidos para os animais, as proteínas vegetais constituem uma componente vital da alimentação animal, sendo, por conseguinte, essenciais para a agricultura europeia. O consumo humano das proteínas vegetais tem vindo a aumentar, sendo a taxa de crescimento anual a nível mundial de quase 7 %. Porém, a UE regista um défice importante em proteínas vegetais, importando a maior parte das necessidades do seu setor agrícola.

A promoção da produção de proteínas vegetais na UE pode trazer não só vantagens económicas para os agricultores e produtores de alimentos para consumo humano e animal, como também um amplo leque de vantagens ambientais e climáticas. Em especial, as proteaginosas contribuem para a fixação do azoto da atmosfera no solo, desempenhando, por conseguinte, um papel importante num ciclo de azoto mais sustentável.

Contudo, foram identificados alguns problemas na promoção do setor das proteínas vegetais da UE, nomeadamente:

  • as condições agronómicas na Europa, que não são as melhores para uma produção de proteínas vegetais em grande escala
  • a rentabilidade económica destas culturas na Europa
  • a competitividade das proteaginosas na UE em comparação com as proteínas vegetais importadas
  • a concorrência na utilização de terras aráveis
  • a ausência de investigação sobre o cultivo, as práticas agronómicas e os diferentes usos destas proteínas

A política agrícola comum já prevê uma série de medidas que incentivaram, nos últimos anos, direta ou indiretamente, a produção de proteínas vegetais na UE, nomeadamente medidas de ecologização que promovem superfícies de interesse ecológico e a diversificação das culturas, o apoio associado voluntário e a investigação e inovação, por exemplo, através do grupo de reflexão da PEI-AGRI.

Conferência de alto nível

O relatório foi apresentado e debatido em 22 e 23 de novembro de 2018 numa conferência de alto nível organizada em Viena (Áustria) pela Presidência austríaca da UE, tendo o Parlamento Europeu contribuído para o debate.

19 DE DEZEMBRO DE 2018
Conference report - The development of plant proteins in the European Union

Consulta das partes interessadas

A preparação do relatório sobre a promoção das proteínas vegetais na Europa teve início com uma consulta das partes interessadas, que revelou um grande interesse por este assunto em toda a UE. Mais de 440 peritos neste domínio, provenientes de 26 países da UE, responderam a um questionário. A consulta confirmou igualmente que a promoção das proteínas vegetais na Europa deve ser um esforço conjunto das autoridades, dos agricultores e da indústria.

Documents

 

18 DE NOVEMBRO DE 2019
Factsheet – EU Legumes benefit people and the planet